quinta-feira, 29 de junho de 2017

Contos na revista Escrita

Salve, Silvio Campana! Obrigado por publicar meus contos na revista Escrita, da Guatá Foz, aí na Tríplice Fronteira. Grande abraço!

O voo de Ryouji

Fecho, abro, fecho e abro outra vez os olhos e, realmente, estou mesmo aqui. No palco, uma das bandas de que mais gosto toca uma de minhas canções favoritas. Uma balada sobre um relacionamento que não deu certo. É melancólica, os acordes devem ser menores — ouvi falar sobre isso quando fiz aulas de violão. Um dos professores disse que os acordes menores produzem sonoridade triste por causa da terça menor. Não aprendi a tocar, nem acordes menores, nem os maiores, que, ao contrário daqueles, sugerem alegria devido ao uso da terça maior. Mas, como ia dizendo, ou pensando, estar nesse show é quase um sonho realizado, não fosse por um único detalhe.

Estou sozinho.

Pela primeira vez em muito tempo sigo sem companhia, seja de uma Fulana, de outra Beltrana ou de uma Sicrana qualquer. E sozinho não sei o que fazer com as mãos. Elas estão nos bolsos da calça. Tiro uma, depois a outra, olho para os lados e as mãos voltam para os bolsos. Se eu fumasse, ao menos uma das mãos teria utilidade num momento como esse. Mas, já faz algum tempo, é proibido fumar em ambientes fechados e, além disso, eu não fumo, nunca fumei.

Beber eu bebo e isso também resolve, pelo menos por alguns momentos, o problema de onde colocar as mãos. Mas estou quase em frente ao palco e, se eu bebesse, mesmo poucas doses, seria necessário ir ao banheiro e possivelmente não conseguiria voltar para este exato local.

Estou aqui e parece mesmo que isso, esse show, ver a banda e ouvir a canção é uma experiência interessante, mas sinto desconforto. Não apenas por estar sozinho, mas está desconfortável porque olho para os lados, pra trás, pra frente, pra cima e não conheço ninguém. Tem gente de uma ou duas gerações mais novas.

Outro dia, ao cortar o cabelo, não pensava em nada até perceber no chão, embaixo da cadeira, fios brancos.

Talvez ninguém perceba os meus cabelos brancos, está escuro aqui. Será que percebem a minha presença? Mas, nem sei, não saberia o que dizer, o que comentar, se me aproximasse de alguém.

Tudo ou quase tudo mudou depois do acidente.

Soube que a Fulana ficou chateada comigo por eu ter estragado o começo das férias. Eu não tinha dito a ela que precisava resolver um problema no apartamento da praia. Antes do meio-dia do sábado, um conhecido telefonou pra Fulana contando que me acidentei dirigindo na rodovia que dá acesso ao litoral. Meu carro estava a mais de cem quilômetros por hora, bem mais, quando surgiu um caminhão.

Hoje é a minha primeira, talvez a segunda noite de volta à vida. Agora é o momento em que a música se modifica: o refrão traz palavras e uma sugestão, por meio da melodia, de otimismo e esperança no futuro. Gostaria de sentir isso, mas nem sei mais o que estou sentindo.

O relacionamento com a Fulana já estava desgastado há alguns anos e acabou, de vez, durante a minha temporada no hospital. Foi ruim, eu chorava quase o dia inteiro, mas a dor que eu sentia, percebi depois, era física, por causa da perna quebrada e de outras fraturas.
O doutor Rafael conversou quase todos os dias comigo. Tive a impressão de que ele estava querendo me entrevistar. O Rafa, meu conhecido desde a infância, sabe que já fui hospitalizado por causa do consumo exagerado de bebida alcoólica e sofri traumatismo craniano durante uma briga. Em um dos encontros no quarto do hospital, não sei por que me pareceu que ele disse, de maneira indireta, que tentei me matar na rodovia.

A Beltrana comentava que me tornei bem-sucedido financeiramente porque sou suicida. A Sicrana não se cansava de falar que vou pro tudo ou nada o tempo todo. Outra Belbetrana também repetia que sou louco, sem limites, um psicopata. Não sei, sei lá. Apenas sigo em frente, todo dia, inclusive agora.

A canção vai terminar. Daí, acho que vou pra casa. Vim curtir o show, principalmente uma única música. E acho que, pelo menos por hoje, já deu.

Mas, enfim, chega o momento mais emocionante da canção. É o solo de baixo. Não tem palavras e me diz tanto, compreendo o que o baixista sugere ao tocar cada nota, cada frase musical, cada pausa. Só não sei explicar o que é.

Esse solo me apresenta uma sensação de liberdade e sinto que posso fazer o que eu quiser, mas não sei o que eu quero. Talvez eu pudesse estar no palco, tocando com a banda, fazendo esse solo, voando.


O voo de Ryouji foi publicado originalmente nas páginas de Outras dezessete noites [Tulipas Negras, 2017), o meu sexto livro de contos. O jornal on-line Qorpus, da UFSC, incluiu o texto em uma Breve antologia de contos brasileiros  contemporâneos, confira por meio deste link.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Breve antologia de contos brasileiros contemporâneos

No mês de junho de 2017, o jornal on-line “Qorpus”, periódico Vinculado à Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC, publica uma Antologia de contos brasileiros contemporâneos, reunindo textos de autores com livros publicados na área da narrativa curta.
Entre os contos selecionados, está "O voo de Ryouji", publicado originalmente no meu sexto livro de contos, Outras dezessete noites [Tulipas Negras, 2017].
Para ler o texto, clique aqui.



Marcelino Freire na Biblioteca

Marcelino Freire participa da edição de junho do projeto Um Escritor na Biblioteca. O evento acontece hoje, dia 27 (terça-feira), às 19h30, no auditório da Biblioteca Pública do Paraná — eu faço a mediação. Durante o bate-papo, o convidado fala, entre outros assuntos, sobre a sua trajetória e a relação que mantém com livros e bibliotecas. A entrada é gratuita!

sexta-feira, 23 de junho de 2017

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Dary Jr recomenta a leitura de Outras dezessete noites

O compositor, cantor e jornalista Dary Jr recomenda a leitura de Outras dezessete noites, o meu novo e sexto livro de contos. Confira o comentário na print [acima] publicada por Dary Jr na página do Facebook Dario Julio & Os Franciscanos.

domingo, 18 de junho de 2017

Aproveite para comprar Outras dezessete noites na Livrarias Curitiba

É possível comprar Outras dezessete noites (Tulipas Negras, 2017), o meu sexto livro de contos, na Livrarias Curitiba. R$ 40 ou em duas parcelas de R$ 20. Clique aqui para efetuar a compra.

sábado, 17 de junho de 2017

Aproveite para comprar Finalmente hoje nas Livrarias Curitiba

Ainda é possível comprar Finalmente hoje (Tulipas Negras, 2016), o meu quinto livro de contos, na Livrarias Curitiba. Apenas R$ 29,20. Clique aqui para efetuar a compra.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Aproveite para comprar Mais laiquis na Livrarias Curitiba

Ainda é possível comprar Mais laiquis (Tulipas Negras, 2015), o meu quarto livro de contos, na Livrarias Curitiba. Custa R$ 40 e pode ser adquirido em até duas vezes de R$ 20. Clique aqui para efetuar a compra.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Aproveite para comprar "2,99" na Livrarias Curitiba

Ainda é possível adquirir 2,99 (Tulipas Negras, 2014), o meu terceiro livro de contos, na Livrarias Curitiba. Custa só R$ 30. Para comprar clique aqui.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Livrarias Curitiba comercializa Outras dezessete noites

Livrarias Curitiba comercializa Outras dezessete noites, o meu sexto livro de contos. Para comprar, clique neste link.