segunda-feira, 12 de maio de 2014

André Sant’Anna apresenta 2,99

O escritor André Sant’Anna, autor entre outros de O paraíso é bem bacana e O Brasil é bom, leu 2,99 e assina o texto de apresentação. Confira:
“O Marcio Renato dos Santos é um escritor muito estranho. Na alma dele vivem seres/personagens muito estranhos: uns caras esquisitos, cujas mentes são povoadas de pesadelos que se transformam em sonhos e sonhos que se transformam em pesadelos. Mas essa esquisitice toda é tão sutil, parece tão cotidiana no universo de uma cidade provinciana e literária e poética, como Curitiba, que acontece sem que a gente quase não a perceba.
      2,99 fala de uma vida barata, de rotinas imutáveis, de uns sujeitos que estão sempre andando pela cidade, indo a lugar nenhum, através de paisagens pueris, ruas absolutamente cotidianas, percursos que raramente fogem do de casa para o trabalho, do trabalho diretamente para casa, onde seres humanos baratos simplesmente tomam banho, comem alguma besteira e esperam o sono chegar diante de uma televisão cuja programação não tem importância alguma.
      Em 2,99, há um cara que sua muito, que anda de casa até o trabalho, do trabalho até o restaurante na hora do almoço, do restaurante para o trabalho, do trabalho para casa. As axilas desse ser exalam um mau cheiro sentido apenas pelo próprio solitário. Há também uma família de comerciantes cujo negócio bem-sucedido se deve à condição de corno passada de pai para filho, de geração para geração. Os homens da família são traídos pelas mulheres que se entregavam a anões.
      Mas o que o adultério da esposa com anões tem a ver com sucesso nos negócios? Não faço a menor ideia e esse maluco do Marcio Renato dos Santos também não vai explicar em 2,99. O Marcio Renato dos Santos não explica nada.
      E o cara que tem um canário chamado Jimi Hendrix? Jimi Hendrix morreu, estou dizendo o final do conto, mas não tem problema, já que o importante nos contos de 2,99 não está na solução de mistérios. Por que Jimi Hendrix morreu? Não sei, você não vai ficar sabendo, o Marcio Renato dos Santos, estranho, não vai contar, nem explicar nada. E, mesmo assim, a gente sente algo de muito diferente no peito, um aperto na garganta, uma solidão insustentável.
      E sabe aqueles concursos de imitadores de Elvis Presley? Em 2,99 há um desses, só que, em vez de Elvis Presley, Leminski. E o melhor Leminski do concurso de Elvis Presley não é o Leminski.
      Tudo muito estranho. Mas tão estranho que, se a gente não presta muita atenção, vai achar tudo normal. Meio que naturalmente estranho.”

André Sant’Anna 

domingo, 11 de maio de 2014

Antonio Cescatto no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Antonio Cescatto no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação na noite de 6 de maio de 2014. Foto de Daniel Snege.

Walter Bach no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Walter Bach no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação na noite de 6 de maio de 2014. Foto de Daniel Snege.

Osny Tavares no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Osny Tavares durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação na noite de 6 de maio de 2014. Foto de Daniel Snege.

Guido Viaro fala durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Guido Viaro fala durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação na noite de 6 de maio de 2014. Foto de Daniel Snege.

Osvalter Urbinati conta tudo no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Observo Osvalter Urbianti falar durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação na noite de 6 de maio de 2014. Foto de Daniel Snege.

Com Osvalter Urbinati dia 6 de maio de 2014

Com Osvalter Urbinati no bate-papo durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, na noite de 6 de maio de 2014. Foto do Daniel Snege.

Durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Rosel Soares fala durante durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, observado por mim, e pelo Osvalter Urbinati, na noite de 6 de maio de 2014. Foto do Daniel Snege.

Hélio Puglielli no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Helio Puglielli no bate-papo durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, na noite de 6 de maio de 2014. Foto do Daniel Snege.

Lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

No bate-papo durante o lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, na noite de 6 de maio de 2014. Foto do Daniel Snege.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Nicolau no Cândido 34


Com Affonso Romano de Sant'Anna na Biblioteca Pública do Paraná

Foto: Lina Faria.

Com Affonso Romano de Sant'Anna na BPP

Foto: Lina Faria.

Com Osvalter Urbinati e Rosel Soares

Com Osvalter Urbinati e Rosel Roares no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba. Foto: Daniel Snege.

Com Osvalter Urbinati

Com Osvalter Urbinati no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba. Foto do Daniel Snege.

Guylherme Custódio no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Guylherme Custódio no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba. Foto do Daniel Snege.

Guido Viaro no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba

Guido Viaro no lançamento do Dicionário Amoroso de Curitiba. Foto do Daniel Snege.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Marcio Renato dos Santos lança 2,99

Marcio Renato dos Santos lança 2,99
Em seu novo livro de contos, publicado pela Tulipas Negras Editora, o escritor trata do nonsense do cotidiano – o texto de apresentação é de André Sant’Anna

         No dia 3 de junho (terça-feira), a partir das 19 horas, Marcio Renato dos Santos autografa 2,99, livro de contos publicado pela Tulipas Negras Editora no Museu Guido Viaro. A obra tem projeto gráfico assinado por Osvalter Urbinati, com 120 páginas e custa R$ 30.
         2,99 traz 16 contos nos quais o autor trata literariamente do cotidiano, onde, para alguns, tudo se repete, nada acontece, mas na realidade muito está em transformação o tempo todo.
O escritor André Sant’Anna assina o texto de apresentação do livro, e afirma: “O Marcio Renato dos Santos é um escritor muito estranho. Na alma dele vivem seres/personagens muito estranhos: uns caras esquisitos, cujas mentes são povoadas de pesadelos que se transformam em sonhos e sonhos que se transformam em pesadelos. Mas essa esquisitice toda é tão sutil, parece tão cotidiana no universo de uma cidade provinciana e literária e poética, como Curitiba, que acontece sem que a gente quase não a perceba.”
         Em 2,99 — a exemplo das lojas que vendem quase tudo por menos de três reais — há também um pouco do que acontece ou pode acontecer no dia a dia — pelo menos sob o olhar de Marcio Renato dos Santos. Há uma família que prospera pelo fato de as mulheres traírem os maridos com anões (“Segredo de família”). Um sujeito que atua na melhor profissão do mundo está infeliz e, então, compra um canário e o batiza com o nome de um herói da guitarra (“Jimi Hendrix”). No concurso semanal de imitadores do Paulo Leminski, realizado toda terça-feira à noite em Curitiba, um personagem ousa declamar Jamil Snege, Manoel Carlos Karam e Wilson Bueno e é perseguido pelos bigodudos (“A noite está velha”).
         Tudo estranho, muito estranho? É isso mesmo. E, de acordo com André Sant’Anna, “mesmo assim, a gente sente algo de muito diferente no peito, um aperto na garganta, uma solidão insustentável.”
2,99 marca uma nova fase da Tulipas Negras Editora que, do início de 2012 ao final de 2013, publicou 16 livros-contos de 16 autores, entre os quais Paulo Venturelli, Luci Collin e Dalton Trevisan. Anteriormente, as publicações da editora eram livretos dobráveis distribuídos gratuitamente. A partir de agora, a Tulipas Negras Editora investe em livros no formato convencional, que serão comercializados.
         2,99 é o quarto livro de Marcio Renato dos Santos, autor que estreou com Minda-Au, livro de contos publicado em 2010 pela Record. Ano passado, a Travessa dos Editores viabilizou Golegolegolegolegah!, o segundo livro de contos do escritor. E, recentemente, dia 6 de maio, Marcio Renato dos Santos publicou o Dicionário Amoroso de Curitiba, pela editora baiana Casarão do Verbo.
Serviço: Lançamento de 2,99, livro de contos de Marcio Renato dos Santos. Dia 3 de junho, terça-feira, a partir das 19 horas, no Museu Guido Viaro (R. XV de Novembro, 1.348, no centro de Curitiba). Livro publicado pela Tulipas Negras Editora, com projeto gráfico de Osvalter Urbinati, tem 120 páginas, ISBN 978-85-917171-0-1 e custa R$ 30.


Desenho (e texto) do Simon Taylor

"Acabo de chegar do lançamento do livro 'Dicionário Amoroso de Curitiba', do meu amigo Marcio Renato Dos Santos com as magníficas ilustras do Osvalter Urbinati. A Livrarias Curitiba do Estação estava cheia. Quantidade e qualidade de gente. Lá, o Guido Viaro revelou que ainda hoje, Dalton Trevisan, aquele mesmo, esteve no Museu e pediu para que lhe comprassem uma cópia do livro, pois era fã do jovem escritor. Bom, fica difícil de falar mais alguma depois dessa, né? Mas, esperem: ainda por cima, ganhei meu nome nos agradecimentos do autor, cercado de gente de primeira! Só pra ilustrar, aqui está o rápido croqui que fiz durante o bate papo com os autores e o editor. Agora, à leitura! — com Marcio Renato Dos Santos,Osvalter Urbinati e Roseli Soar"

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Dicionário Amoroso de Curitiba no Metro Curitiba

"Curitiba com amor e bom humor, de A a Z". Esse é o título da matéria publicada hoje, dia 5 de maio, na página 13 do jornal Metro Curitiba. Eis o link.